sexta-feira, 3 de outubro de 2008

O blog dos 5 pês

"eu, vocês sabem quem sou. o indústria é o colaborador mais intermitente que temos nas nossas fileiras. o deslize bar é que talvez alguns não conheçam.

o deslize foi um bar que antes do 25 de abril era já um espaço onde se conspirava contra o regime. sempre por ali se cruzaram os movimentos e pessoas mais outsiders da sociedade. e em braga sempre existiram pessoas capazes de lutar pelos seus ideais. por ali passavam vozes anónimas. vozes que poucos tiveram visão de perceber a grandeza.

não falo das nossas vozes. o deslize para nós era um espaço de experiência. enquanto jovens, tinhamos o direito a ir à missa ao domingo e também tínhamos o direito de conviver com ateus e acérrimos críticos da igreja católica. tudo isto vem a propósito de uma conversa que tivemos (eu e o indústria) em tempos no deslize.

era um bêbado que estava lá a falar sozinho e, segundo o indústria, falamos com ele durante bastante tempo. lembra-se de comentarmos que para bêbado até falava bem. esse ilustre morreu com obra editada. foi o próprio herberto hélder que consegui que ele editasse os seus poemas na assírio e alvim. morreu atropelado por um condutor que fugiu, e ao que parece ninguém identificou. vivia no adro de uma capela. foi com espanto que recordei essa história porque não me lembrava dela."

"privamos com o sebatião alba, que escreveu isto,"

niguem meu amor

1 comentário:

Fernando Pessoa disse...

não é grande coisa a história, é o que se podia arranjar :)

agradeço a citação, julgando contudo não merecer destaque a não ser relembrar o homem e o poeta.


adicionei o teu blog aos meus feeds para acompanhar apartir de agora

bj

Arquivo do blogue

Acerca de mim

nothing boring

Follow this blog with bloglovin

Follow not boring...